segunda-feira, 21 de abril de 2008

Primeiro Mes (Quinta semana)

Desta vez demorei mais do que o normal para relatar como se passou nossa semana. O motivo é bem simples. Acredito que a quinta semana não foi o que podemos chamar de paraíso e fiquei um pouco desmotivado por um tempo. Vamos a ela.

Como relatei anteriormente, a semana começou ruim com um corte de cabelo bizarro, uma entrevista bizarra e uma job fair bizarra. Na quarta feira conversei com a Nanade que já não aguentava mais ficar naquele basement e perceptivelmente cada vez que adentrava ao recinto minhas feições ficavam mais contraídas. A resposta dela foi imediata: eu já não aguento faz tempo. Estávamos aguardando uma resposta de nossos amigos Sonya e Wellington para saber se seria possível ocuparmos o apartamento deles, já que estão de mudança para Mississauga. Porém, não sabíamos se o local aceitava animais. O contrato era claro ao afirmar que não podia. Então, resolvemos buscar mais opções, assim se a resposta fosse negativa já teríamos algo na manga. Acredito que isso serviu para nos colocar ainda mais para baixo, pois visitamos cada local... A reação em alguns deles foi parecida com aquela do vídeo dos expectadores do “2 Girls 1 Cup”. Segue a reconstituição da visita a um dos apartamentos. Detalhe, o loiro de óculos representa o realtor, pois ele sabia que nossas alternativas seriam pegar aquilo ou voltar para o basement: http://www.youtube.com/watch?v=OtRzf_ZcM0U&NR=1. Eu descreveria o episódio como “2 beds 1 bath”. Dica importantíssima: aconselho fortemente que nunca vejam o vídeo original das garotas, mas busquem no youtube as reações das pessoas, vocês irão bolar de rir.

As entrevistas da semana foram basicamente com Head Hunters. Sei que isso é o mesmo que plantar uma sementinha que pode dar frutos no futuro, mas tem hora que a ansiedade aumenta e essas entrevistas passam a ser “sacais”. Aquele sentimento que temos no Brasil que não podemos fazer nada novo, pois estamos à espera que algo mude (o recebimento do visto) continua por aqui. A diferença é que no Brasil estamos sendo pagos e escolhemos não fazer nada novo devido aos novos horizontes que estão por se abrir e quando estamos aqui estamos à procura de emprego para que esses novos horizontes realmente existam. Enquanto isso não chega, suas economias estão sempre na mira. Viemos com reserva suficiente para ficar mais de um ano sem trabalhar, mas a sensação de ver a falta de entrada de dinheiro é ruim. Isso logicamente só é percebido ao final do primeiro mês.

Aliás, fechamos o mês e gostaria de colocar nossas contas (bem por cima) para auxiliar aqueles que estão planejando seus budgets.

A surpresa do mês foi o alto custo com celular. Como minhas entrevistas estão ocorrendo muito por este meio, acabei gastando mais do que o esperado. Dica importante: aqui no Canadá, pelo menos o celular pré-pago da Rogers, você paga a ligação tanto quanto faz a chamada, como quando recebe. No meu plano pago $0.25 nos cinco primeiros minutos e $0.50 a partir daí. As entrevistas duram em média 20 minutos...

Quinta-feira feira havíamos marcado mais visitas a apartamentos, mas decidimos que aquela semana baixo astral iria acabar por ali. Resolvemos então ir almoçar num restaurante de verdade. Escolhemos o Joe Maggiano's (http://www.joessteakanditalian.ca/) onde as comidas são tão gostosas quanto bonitas. Nada como comer um salmão grelhado com verduras e legumes e um belo steak com batatas “solteiras” (apenas piada) para mudar o nosso humor. Fica a dica do restaurante. Ele fica na Sheppard com Victoria Park.

Parece que o almoço realmente mudou nosso humor e nossa “sorte”. Na própria quinta feira uma pessoa entrou em contato comigo para fazer uma entrevista no dia seguinte. Local escolhido, Joe Maggiano's. Coincidência? Vai saber! No momento que estava indo para a entrevista recebo outra ligação, desta vez do Wellington dizendo que não havia problemas com relação à Dalila e assim poderíamos fechar o contrato do apartamento. AAAAEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE! Essa notícia faria a Nanade pular de alegria e só de imaginar isso eu já me senti feliz da vida. A entrevista foi super interessante e acredito que gerará frutos. Não poderia ser diferente, eu estava tão satisfeito que fui muito relaxado. Foi um grande bate papo e tudo vai dando certo.

Sábado e domingo fizemos a festa. Com a desculpa de treinar para o Road Test que seria realizado na segunda-feira, pegamos a Jack, o Edward e o Edu e fomos para o Vaughan Mills (Pois é! De novo! Vou virar sócio do lugar). Antes almoçamos no Outback. No Domingo jogamos um boliche de manhã. Neste local, quem fizer 9 strikes seguidos ganha a bagatela de $3000. Fiz 5 seguidos e quase levamos esta brincadeira. A Nanade quase passou mal durante os jogos, já estava até fazendo planos para gastar a grana. Depois disso, almoçamos no Swiss Chale um excelente restaurante e com preços bem interessantes. Chegamos em casa pregados e a ansiedade com o Road Test não me incomodou. O Final de semana passou como uma flecha.

Segunda-feira, o dia D! Viajei até Burlington (60km de Toronto) para fazer a prova. Estava meio nervoso, mas quando vi que a prova durava apenas 15 a 20 minutos, relaxei. Não deveria! Cometi dois “erros” (que não concordei) e “failed”. Isso mesmo! Terei que fazer a prova novamente, agora na categoria G2. Os erros foram esses:

  • Estava na tarefa de fazer curva à esquerda em um semáforo. Junto comigo à minha esquerda havia uma pedestre para atravessar a rua. Era uma avenida larga com 3 pistas vindo e 3 indo. Quando abriu o semáforo acelerei, como não vinha ninguém na minha frente, olhei no retrovisor, olhei o blind spot e vi que a pedestre estava no meio da segunda pista andando em minha direção, logo, ela não teria como chegar ao local que eu passaria, certo? Errado! A Motherf... da examinadora disse que eu deveria ter esperado ela passar. Eu ainda argumentei que no “Driver Handbook” diz que só há erro no “right-of-way” se o pedestre tiver que tomar alguma ação, como por exemplo correr ou parar. Nenhum dos dois ocorreu, mas a examinadora disse que eu deveria ter esperado e pronto.
  • Saída da Highway, dobre à direita no semáforo. O semáforo estava fechado. Quando eu estava fazendo o approach ele abriu. Os carros à minha esquerda aceleraram. Como na minha frente não havia mais ninguém, olhei os retrovisores, blind spot e entrei. A examinadora disse que o semáforo estava fechado e que eu deveria ter parado. Ainda olhei pelo retrovisor e vi que todos os carros já haviam passado. Então pensei comigo: devo ter entendido errado. Quando finalizou o teste ela disse que eu tinha reprovado por isso. Eu disse que o semáforo estava aberto, mas ela, com um tom muito ríspido retornou um “estava fechado”. Então resolvi que não iria gastar meu tempo, já que já tinha gasto o dinheiro, com aquela escrota (me desculpem o palavriado). Recebi o papel amarelo e quase rasguei na fuça da pigmeu.

Pessoal, posso dizer a todos que esta foi a primeira vez que me senti derrotado. Durante 2 horas voltei ao baixo astral da quarta feira passada, mas logo conversei o Edward e outros brasileiros que me deixaram bem tranquilo quanto a isso. A Nanade foi vítima do meu baixo astral e não sabia o que fazer para me dar fôlego. A experiência é ruim e tudo aquilo que venho dizendo nas mensagens anteriores sobre este teste é verdade. As pessoas não tem muita boa vontade com quem vai tentar fazer direto o teste da G. Devo ter cometido mais falhas, mas já não me interessava em ouvir nada a respeito disso durante uma semana. Que venha o próximo teste.

A segunda ainda nos reservou um momento interessante. Fomos fechar o contrato de aluguel do apartamento e houve uma conversa muito importante sobre animais. Dica interessante: não há regra que proíba qualquer pessoa ter animais em sua residência. Assim, quem está errado são os espaços que dizem que seus ambientes não são “pet allowed”. BTW, caso você feche um contrato com um desses locais e quiser depois entrar com seu bicho, eles não podem te impedir. Isso foi dito pela própria dona do prédio (e também de mais 4 prédios), cujo contrato tem escrito que não pode ter animais. Ela diz que gatos e cachorros pequenos não são problemas, ela só se incomoda com cães de grande porte, mas mesmo assim nada pode fazer. Essa dica é valiosa para muitas pessoas que estão prestes a vir para cá. Se eu soubesse disso antes não teria tanto estresse para achar um local para morar.

Durante a terça recebi um outro telefonema com mais uma boa notícia. A entrevista de sexta-feira realmente gerou frutos e mais uma entrevista foi marcada para a semana que vem. Bola pra frente!

Nesses altos e baixos temos certeza que o relacionamento que mantemos em casa e o apoio da família e amigos são suficientes para nos ensinar a tirar o máximo proveito dos momentos positivos e o máximo do lado positivo nos momentos negativos. Confuso? Para nós é tranquilo, pois sabemos que estamos no caminho certo. Até semana que vem.

3 comentários:

Anônimo disse...

Vão ver que essas fases vão passar, vai tudo correr bem.
Boa sorte
bjs

Re disse...

Agora com o apto novo as coisas melhoram....daqui a pouco tudo se ajeita.
Emprego, carteira....e o dinheiro pra se manter por um ano vai ser gasto nos malls! rsrsrs
Boa sorte
abs

Carlos Moreira disse...

Luciano,

Meu nome é Carlos, sou do grupo Terra do Norte também. Parabéns pela entrevista de emprego...

Qual a sua área de atuação?
Tem skype?

Se quiser pode me responder no cammjr@gmail.com

Agradeço,