segunda-feira, 28 de abril de 2008

Sexta semana - A mudança

Vida que continua, semana final em nosso calabouço, mistura de sentimentos. Felicidade por estar saindo daquele lugar e muita ansiedade para que o dia chegasse logo. Os sentimentos de nojo começavam a voltar como se fosse o nosso primeiro dia. Porém, preferimos focar nos sentimentos bons e arrumávamos nossas coisas como se estivéssemos saindo de férias de novo.

Antes da mudança resolvi passar por cima da chateação da carteira de motorista e procurar logo uma nova data para fazer a prova. Achei dia 25 de abril em Oakville e isso serviu para aliviar muito mais os sentimentos ruins. Eu me sinto preparado, por isso resolvi apenas esperar pelo dia da prova. Nada mais de aulas de auto-escola, estudo em livros e olhadas em blind spot. Aliás, essa palavra já está na minha lista negra. Eu já estou até sonhando com as pessoas me cobrando isso nos lugares mais incomuns. “Você entregou o documento sem olhar o blind spot?”. “Como você pagou esta conta sem olhar no blind spot?”. Acordo no meio da noite com isso, olho o blind spot para garantir e volto a dormir.

Mais entrevistas, mais entrevistas, todas com empresas de headhunters. Dica importante: assim que chegarem ao Canadá coloquem seus curriculos no Workopolis e Monster. Essas páginas funcionam muito bem ao te colocar na vitrine mais vista neste campo. A entrevista tão esperada foi postergada para a semana que vem, outras entrevistas interessantes apareceram, mas ainda na primeira base. Quero chegar logo ao home plate, mas preciso de mais alguns hits. Jogo que segue. Conseguir um homerun é bem difícil, mas não impossível.

Sexta feira fomos ao encontro de família e resolvemos pegar uma “carona” com o Flávio no GO Train. Isso é que estar no primeiro mundo. Infelizmente esquecemos de levar máquina fotográfica, mas as instalações do trem são um espetáculo. 35 minutos de uma pacífica viagem com vistas de cartões postais e estávamos em Mississauga. Flávio, isso é que é vida!

Sábado, o grande dia! A Nanade foi dormir às 6 da manhã de ansiedade. Antes de nos mudarmos para a casa nova, precisávamos ajudar o Wellington e a Sonya na retirada de suas coisas. Resolvemos levar nossas malas de metrô. Assim, restaria apenas pegar a Dalila depois. Claro que as coisas não foram tão simples assim. Já na saída de casa, aquelas malinhas de 32Kg não aguentaram e uma delas quebrou a roda. Tive que levar a mala na raça. Caminhada para ponto de ônibus, entrada no ônibus, descida das escadas do metrô, subida das escadas do metrô e quando chegamos à casa do Wellington minha cota de esforço do dia já tinha acabado. Porém, a brincadeira só estava começando. Durante nosso dia de trabalhadores braçais ouvi algumas vezes o Wellington dizendo: “quem mandou vir para o Canadá? Quem disse que ia ser fácil?”. Pois é, casa montada, emprego não mão, zona de conforto bem estabelecida e largamos tudo para carregar cama no Canadá? Seríamos nós uns loucos? Que nada! Sempre as respostas às perguntas eram outras perguntas: “Você que me diz, há algum arrependimento? Faria diferente?”. E finalizamos com: “nem que precisássemos carregar uma estante de 50Kg”. BTW, tivemos que fazer isso duas vezes. Ao nosso esforço se juntaram o Flávio, Edward e Edu. A Sonya e a Nanade comiam chips com coca zero enquanto nos matávamos. Elas eram as Projects Administrators da atividade. Ou seja, aquelas que gritam, direcionam, reclamam e no final ficam com as glórias. Para nós, peanuts (literalmente falando), mas pelo menos era com mel. Depois de descermos a bendita estante de 90Kg (o peso vai aumentando à medida que as forças vão acabando) para o basement a Sonya ainda teve coragem de falar: “humm, não gostei dele aí, acho que vou pedir para vocês colocarem no quarto do bebê”. “Sonya, essa cômoda só sai daqui quando destruírem esta casa”. As pernas já não aceitavam comandos. Para entregar o caminhão tivemos que fazer um esforço conjunto onde uma pessoa ia acelerando e a outra dirigindo. Pelo menos não podemos reclamar de falta de atividade física.

O dia foi muito longo, depois de carregar tudo na casa deles, ainda tivemos a festa da primeira comunhão da Carolzinha. No final da noite tivemos uma excelente carona do Francisco e Lu para buscar o que restava na casa. Percebemos que era muito mais do que simplesmente pegar a Dalila, então a carona foi muito proveitosa. Finalmente chegamos em um local que podemos chamar de casa. É pequeno, simples, mas não fede, nem é baixo. Pela primeira vez em muito tempo dormimos feito anjos. Roupa de cama nossa, limpinha, cheirosa. Sensação incomparável.

No domingo resolvemos alugar um carro para comprar coisas básicas para a casa. Wal Mart, Ikea e Dollarama foram os alvos e com 300 dólares compramos todas as coisas essenciais para a casa (tirando mobília). Pratos, panelas, produtos de limpeza, roupas de cama, torradeira, abridores de lata, talheres e aquelas quinquilharias que não tem como viver sem a presença. Procuramos mobílias, mas estávamos apenas fazendo pesquisas. Após mais um dia cansativo, dormimos bem cedo com a sensação de dever cumprido. Foi incrível perceber que tudo se renovou, parecia que havíamos chegado naquele dia. Uma nova vida estava começando. Então chegamos à conclusão que passamos à fase 2. Agora já sabemos o que queremos e já experimentamos as dificuldades do lugar. Dica importante: Percebemos que necessitamos de um tripé para considerarmos que estamos numa vida normal: moradia (não é fácil conseguir), carteira de motorista (não é fácil conseguir) e emprego (não é fácil conseguir). Conseguimos o primeiro ponto de apoio e isto nos dá força para correr atrás dos outros.

A continuação da semana passamos arrumando a zona que havíamos deixado na casa e fomos transformando cada vez mais o lugar em nosso lar. Para fechar a semana com chave de ouro, conseguimos comprar quase toda a mobília da casa por apenas $770.00. Incluindo: cama queen size box, mesa com 4 cadeiras da cor que a Nanade queria, rack da cor que a Nanade queria, televisão, floor lamp, conjunto decorativo de velas, mini forno, conjunto de facas, sapateiro, som stereo portátil, cappuccino, cera de depilação, entre outras coisas menores que não lembro. Uma brasileira estava voltando para o Brasil momentaneamente e resolveu vender tudo aqui. Sorte para nós e também desejamos toda sorte para a nossa nova amiga. Agora só falta um sofá e nossa casa estará montadinha. Tudo em 3 dias de nova casa. Incrível, mas estou muito confiante nesta fase 2. Pelo jeito que as coisas estão andando acredito que ela será mais curta que a primeira. Boa semana a todos.

9 comentários:

Alê R. disse...

Luciano,
Estou ainda em fase embrionária do meu projeto "Canadá".
Acompanhei alguns emails do e-group do Yahoo (os que são aproveitáveis, logicamente) e você estava dentre as pessoas que expressam opiniões sensatas. Quando vi o endereço do seu blog, resolvi vir ler.
Gostei dos textos que você e a Nanade escrevem. São francos e realistas. Parabens.
Vocês terão sucesso.
Voltarei para ler mais vezes.
Abraços
Alessandra

rosadasilva disse...

Fico bem feliz que voces estão conseguindo superar todas as dificuldades com tão bom humor. Parabéns pela conquista da casa e com amigos, tudo fica mais fácil não é?
Um abraço
http://casanocanada.wordpress.com/

Família Moura no Canadá disse...

OI Luciano,

Sou colega de trabalho do Wildson e estou esperando a entrevista por Québec. Fico feliz com o sucesso e as dificuldades de vocês. A minha meta é chegarmos em maio do ano que vem se tudo der certo....

Um grande abraço,

Álvaro

Marcelão disse...

Olá Luciando!! Poxa, que legal que as coisas estão se ajeitando!!!

Sucesso!

Anônimo disse...

Luciano e Nanade
Estamos sempre acompanhando essa grande aventura de vcs, e relembrando os mesmos momentos que vivemos quando moramos fora... Parabéns Nanade,pelas pequenas e grandes conquistas... Daqui a uns meses vc vai olhar pra trás e dar muita risada disso tudo... É gostoso relembrar esses momentos que todos nós já vivemos em algum momento da nossa vida no exterior... Hoje dou muito valor por ter vivido essa experiência e ser uma pessoa melhor do que eu era.
Estamos torcendo muito para o Lu receber uma proposta, tenho certeza que este dia está muito próximo.
Parabéns galera e "força na peruca!"
Bjs!!! Priscila ,Rodrigo e Patrick

Silney disse...

Q bom q vcs estão instalados já....e q a fase 2 passe....pelo visto já está melhor q a fase 1...e que venha a fase 3!!hihihi
Hum..quantas fases tem???rs
Eu to na pré fase..Br ainda!!!
Não deve ser nada facil passar o q vcs passaram e tantos outros tb..mas.... ai como quero a fase 1 ..2..3...4.. tantas quanto tiverem!!
Grande abraço e força aí... q nada melhor q um dia atras do outro e uma bela noite no meio!!!E forças recuperadas!!

* POLINHA POROROCA * disse...

Que bacana hein!!! Da para sentir e ver claramente a felicidade de vocês com a casa nova...
E como Luciano disse, o t´ripé esta se formando e danco cada vez mais segurança para vcs!!
bjão

Simone disse...

Olá,
Descobri o blog de vcs hoje, já li todo e adorei. Dá muita vontade de ir embora amanhã...
Vcs sabem me indicar um bom curso de inglês aí?
Estou torcendo para que comecem a trabalhar o quanto antes.
Só para saber, Luciano qual a sua área?

Continuarei acompanhado vcs, já estão nos meus favoritos.

Deus os abençoe nesta nova vida!!!

Abs
Simone

Luciano Barreto disse...

Simone, minha area eh TI, mais especificamente seguranca da informacao.