sexta-feira, 11 de abril de 2008

Ponto de Vista Feminino

Já era hora de eu deixar aqui o meu ponto de vista. Então, família amada, amigas queridas e pessoas queridas que estão participando de nossa aventura junto com a gente, (ainda que virtualmente), vamos lá...

Eu nunca tinha visitado o exterior, mas também quando o fiz, vim pra ficar. Foi engraçado porque acho que coloquei na cabeça que estávamos vindo pra passar umas férias e acho que por isso, não fiquei tãããão ansiosa...eu percebi que estava comendo um pouco mais que o normal (normalmente meus primeiros sinais de ansiedade são insônia e enjôo, conseqüentemente, falta de apetite), então acho que estava relaxada até demais. Minha ficha começou a cair quando já estávamos dentro do avião.

A primeira impressão que tive da cidade não foi muito boa, provavelmente por toda a história que o Lu já contou e eu cheguei até a pensar: como eu falaria pro Lu que e não queria ficar, que eu queria voltar pro Brasil?! Mas isso durou apenas um dia. Depois, cheguei a comentar com o Lu, que não queria morar em Toronto, mas isso durou apenas algumas horas.
Quando conheci alguns supermercados (eu e Lu adoramos fazer compras de mercado), alguns shoppings e algumas lojas como a Canadian Tire, tive certeza absoluta de que não quero voltar a morar no Brasil e de que quero morar aqui em Toronto.

Gente, a facilidade que a gente tem aqui é fascinante e viciante. Pra quem está vindo, não se preocupe em trazer feijão nem qualquer outra coisa...até guaraná tem aqui!

Depois de mais tranqüila, era hora de começar as aulas de inglês. Eu tinha uma idéia do inglês. Entendia algumas coisas, muitas vezes pelo contexto e olhe lá. O primeiro dia de aula foi terrível pra mim, porque não tinha o Lu pra me socorrer. E quando eu ficava nervosa ou não sabia como se expressar em inglês, não tinha outro jeito, foi desesperador. Mas logo já me aventurei... No segundo dia, fui numa lojinha perto da minha escola e resolvi que ia comprar um presentinho pro Lu. Entrei na loja, peguei o que queria e fui para o caixa. Lógico que me dei presente também, afinal, eu merecia pelo meu esforço, né? Lu perguntou se eu fiquei nervosa, mas não tinha muito o que ficar nervosa, já que eu não precisei falar nada além de “Good afternoon! e Thank you!”. Aí lógico que já estava me achando a própria canadense e resolvi no dia seguinte passar na farmácia, que por sinal também é um espetáculo. Na hora de pagar, eu simplesmente não conseguia acertar o valor que eu tinha que pagar. Eu escutava, mas não assimilava! A moça repetiu três vezes e eu já estava morrendo de vergonha, com uma fila enoooorme atrás de mim. Saí da farmácia sem nem olhar pra trás, mas comprei o que queria. Aí foi que Luciano se lascou, porque eu percebi que eu conseguia comprar as coisas sozinha. Que perigo, hein?!Depois disso, já fui no mercado sozinha, fui comprar um casaco e o dono da loja, um senhor muito simpático, até virou meu amiguinho. Batemos altos papos.

Agora tem sido assim, a primeira lojinha em que me aventurei, virei freqüentadora assídua, no mínimo duas vezes por semana. A dona da loja já até me conhece. Eu preciso praticar o inglês né minha gente?! E lá eu consigo exercitar, já que agora além do “Good afternoon!” and “Thank you!”, eu falo também “I’m fine, thanks! And You?”. Bem, querendo ou não, já é uma frase a mais pra minha prática, né?

Claro que eu preciso melhorar muito o meu inglês, mas estou me esforçando pra perder a vegonha de falar e conversar com as pessoas. Fácil? Não! Mas tudo depende do tamanho da sua diposição e da sua vontade de realizar. Não posso deixar de falar da força e da segurança que o Lu me dá...pra tudo! A gente conversa em inglês praticamente todos os dias e isso tem me ajudado muito. Ele é o meu suporte, meu encorajador, meu amigo. Sabe aquele sentimento de segurança? É o que ele me faz sentir. Não tenho medo porque estou com ele. Obrigada amor, por tudo!

A cada dia que passa e eu percebo que faço pequenos progressos ao conversar com o pessoal da escola ( e olha que os sotaques são de matar) e eu fico muito animada, porque antes eu não conseguia nem fazer isso. Acho que ainda não é hora de me cobrar muito, já que estou no curso há apenas três semanas. É hora sim, de absorver tudo o que eu puder e de me divertir, já que estamos numa grande aventura.

Enfim, estou muito feliz e muito bem adaptada. Antes de a gente vir pra cá, eu só conseguia imaginar que seria tudo muito bom. Eu simplesmente, não conseguia imaginar alguma coisa sendo ruim. E fora o lugar que estamos hospedados (temporariamente), de resto está sendo melhor do que eu imaginava, porque agora não é mais um sonho, é a nossa realidade!
Gente, o importante é tentar! Se você tem um sonho, arrisque, vá atrás, vale a pena. No mínimo? Uma experiência de vida. No máximo? Sua felicidade plena!

E aí, vai arriscar?

10 comentários:

Re disse...

Oi Nanade,
Estou acompanhando a aventura de vcs...e espero em breve estar aí tb.
É isso mesmo, tem que se expor e correr atrás! Parabéns pela postura e por passar por cima do medo e da insegurança e fazer o que te dá vontade!
Boa sorte pra vcs

Eliane disse...

Adorei o relato, a sua visão é muito importante, para se ter uma idéia do que as esposas estão sentindo. Beijos, Eliane.

Dani disse...

Oi Nanade!!

Adorei seu post! É legal ver que vc está conseguindo quebrar as barreiras e aos poucos está se adaptando!

Aguardo seus próximos relatos!!

Ah!! Recebam bem minha amiga Ci por aí, hein?

Bjos! =)

Lu e Bruno disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lu e Bruno disse...

Oiee Nanade e lu,
Nossa, não poderia deixar de comentar q os vídeos estão uma graça...morri de rir aki com os galos do lu pelos 4 cantos da casa. E a dalila é uma fofaaa. Mas é isso ae, para a concretização de um sonho tá valendo mesmo!!! Mta luta e bola pra frente q Toronto tem mta oportunidade boa de crescimento e qualidade de vida!! Diveirtam-se e boa sorte!! :D

P.S. Estamos aguardando o pedido dos exames medicos (o de vcs demoraram qnto tmpo p chegar dpois do envio dos docts?) e se Deus quiser meados do ano q vem estaremos ai tb nas terras geladas, hhehehe... :))

Como ja havia falado outra vez, Bruno, meu marido, ficou em homestay na casa da Francesa Daniele ha 1 ano atras e ainda mantem contato com ela via e-mail. Ele mencionou vcs e ela confirmou q os conheceu + dalila e disse q são mtos legais e parece q o Lu é da mesma área q Bruno... Enfim, Bruno é de TI e eu de Enfermagem, alguma semelhança? Poderíamos trocar algumas idéias.. o q acham? Bjks :D

Thiago et Silvia disse...

Olá Nanade!
Estamos acompanhando o blog de vcs e eu particularmente estava aguardando um post seu! ADOREI este, escreve mais vezes.
Sorte e sucesso!
Silvia

RC disse...

ÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊ........

Muito legal e realista seu ponto de vista Nanade... Escreva mais vezes, não deixa só o mané do Luciano escrever não... é melhor do que ficar perguntando pra ele como você está!

Um beijo bem grande... e aprende tudo aí... estamos chegando!!

Ricardo Costa

Ricardo disse...

E aí, vai andar?
E aí, vai pular?
E aí, vai DEIXAR?

VOCÊ VAI DEIXAR?

au au au au au!!! heheheh

Silney disse...

OI Nanade... muito legal o q vc escreveu...
Meu maior medo é o ingles!!uiuiuiui... quebrar este bloqueio... e pior q isso..eu q sou a aplicante principal buaaaaaaaa rs... este é um dos motivos q ainda nao abri o processo oficialmnente... medo de nao ter tempo suficiente para o IELTS...

Boas aventuras pra vcs...rs

Thásia disse...

OI Nanade! estava querendo ler o blog com mais calma e acabei demorando. Adorei o seu post! é isso aí! vcs dois são o casal bom humor - um exemplo a seguir! Tudo de bom! Forte abraço! Thásia